Gravatá

O que fazer em Gravatá, atualizado [o melhor]

Como Chegar em Gravatá, Pernambuco

A cidade de Gravatá (85 mil habitantes) é conhecida como a suíça pernambucana e fica localizada a 55 km de Caruaru; 90 km de Recife, capital pernambucana e 240 km de Maceió, Alagoas.

A cidade é conhecida por seu clima ameno no inverno, bons restaurantes, rico artesanato e hotéis com ótima estrutura. Como resultado nos finais de semana e nos feriados prolongados a cidade fica cheia de turistas, e pernambucanos que vão aproveitar suas lindas casas de campo nos vários condomínios de luxo que existem nos arredores de Gravatá, chegando a dobrar a população.

Gravatá é a primeira cidade do agreste pernambucano e partindo de Recife dá 1 hora de uma boa estrada, sem buracos. Basta pegar a duplicada BR – 232 até Gravatá.



Mapa de Gravatá, agreste de Pernambuco


Flores de Gravatá

O mercado de flores é uma oportunidade de trabalho no Agreste, o cultivo de flores em Gravatá, segundo a associação Floragreste, com 27 produtores associados, começou nos anos 1960, mas apenas nos últimos 14 anos ganhou força. No Brejo, 70% dos agricultores plantam flores. O restante é dividido entre produtores de abacaxi (30%) e hortaliças e leguminosas em geral (10%). A cidade responde por cerca de 80% dos produtores de Pernambuco e os funcionários tiram o sustento da família do plantio das mudas. Certamente uma opção de trabalho digna para as famílias da região.

Quando ir para Gravatá

Ponte de Gravatá na Serra das Russas, br 232
@oisborges

O ano todo! O clima agradável atrai turistas e pernambucanos todos os finais de semana do ano, por isso a cidade é um bom destino em qualquer época. Claro que existem períodos mais concorridos: durante as festas de Semana Santa, São João, o Virtuosi (festival de música clássica), o Festival de Jazz (acontece no carnaval, como uma opção interessante para quem quer fugir da folia) e o Natal Luz, e os feriados prolongados.

Então, para quem quer viajar nesses períodos, o ideal é se planejar com antecedência para conseguir pousada ou uma casa de temporada. Mas prepare-se para encontrar a cidade bem cheia, fica difícil sair de carro pelo centro e fazer compras no mercado é sempre um sufoco.

Clima (temperatura) de Gravatá durante o ano

A cidade de Gravatá está a 461m acima do nível do mar, assim ela apresenta um clima semiárido. O clima é classificado como Köppen e Geiger. 22 °C e essa é a temperatura média em Gravatá, com influência da Serra das Russas, que, devido à sua altitude, provoca chuvas orográficas, impedindo chuvas mais abundantes no município. Portanto a média anual de pluviosidade é de 945 mm.

O que fazer em Gravatá

A cidade conta com algumas atrações turísticas, por isso tome nota das mais famosas:
Museu do Carro Antigo; Polo Moveleiro, rua repleta de lojas onde você encontra o melhor do artesanato da cidade; Igreja de Santana, fica localizada na praça Matriz; Memorial de Gravatá; Estação do Artesão, local para venda de obras dos artistas da região e o Alto do Cruzeiro, um dos pontos mais altos da cidade onde é possível ter uma vista panorâmica da cidade.

1. Passear pelo centro histórico

O centro de Gravatá não é muito grande, lá você encontra a Igreja Matriz de Santana, a principal da cidade, inaugurada em 1940, e a Praça da Matriz.

Para quem olha a igreja de frente, ao lado esquerdo, você vai encontrar o Mercado Municipal de Gravatá, que foi transformado em um centro gastronômico. Nesse sentido foram feitas barracas onde o pessoal comparece para tomar uma cerveja e ouvir música ao vivo (acontece mais aos finais de semana). Na antiga cadeia, funciona o Memorial de Gravatá, um pequeno museu com objetos de antigos moradores e uma biblioteca municipal.

Logo depois você ainda encontra o casarão do Salão 3 S (sede social da Igreja Católica), a casa paroquial, a Câmara de Vereadores e a Prefeitura (Paço Municipal), todos em prédios históricos e preservados.
Também encontrará o Pátio de Eventos Chucre Mussa Zarzar (o lugar onde é montado o palco nas festas de rua em Gravatá) e a antiga estação de trem da cidade, hoje transformada na Estação do Artesão, onde diversos artistas locais expõem e vendem suas obras. Ou seja, é um bom lugar para comprar lembrancinhas, a tradicional bonequinha da sorte já foi escolhida como patrimônio cultural.

2. Cristo Redentor no Cruzeiro

Cristo Redentor no Cruzeiro, Gravatá

Ele fica na parte mais alta da cidade, chamada Alto do Cruzeiro. Se você está de carro ali pelo centro, pode facilmente chegar lá. Outra forma de chegar é a pé, costume popular na cidade em tempos de penitência, como as procissões de semana santa, ou nos cortejos fúnebres, pois o cemitério da cidade também fica lá em cima.

Você pode ir pelas ruas ou fazer parte do caminho pela enorme “Escadaria da Felicidade”, que tem 365 degraus, um para cada dia do ano. No Cruzeiro, além do pequeno Cristo de 12 metros de altura, do cemitério e de uma bela vista da cidade, você tem alguns restaurantes simples, a sede da rádio local, e a pequena igrejinha de Cristo Rei.

3. Pólo Moveleiro

Gravatá desenvolveu fama com a produção de artesanato e móveis coloniais e rústicos em madeira angelim, jatobá e massaranduba. As lojas que comercializavam essas mercadorias ficavam na rua Duarte Coelho, que acabou virando referência.
Quando a fama turística de Gravatá aumentou, o lugar passou a ser chamado de Pólo Moveleiro. As lojas mais antigas fecharam, mas ainda há muito comércio por lá. E também alguns restaurantes e bares, o que garante que o movimento se estenda de dia e de noite.

4. Trilha na estrada de ferro e rapel na ponte cascavel

Trilha na estrada de ferro e rapel na ponte cascavel
@rickferreiramc

A pequena Gravatá se transforma num destino de turismo de aventura. Atualmente é possível fazer uma trilha pela antiga linha férrea, que vai te levar até um dos pontos altos da serra das Russas: a antiga ponte Cascavel, o viaduto da linha férrea por onde o trem cruzava a serra.

O tamanho da trilha pelos trilhos é maior ou menor. Assim você vai passar por alguns dos antigos túneis (a ferrovia tem 14 no total, sendo 2 na cidade de Pombos), para terminar a caminhada na Ponte Cascavel. O rapel negativo na Ponte Cascavel é a cereja do bolo, no final do percurso. A descida em vão livre tem aproximadamente 50 metros.

5. Cachoeira das Palmeiras de fato uma espetáculo

A Cachoeira das Palmeiras é formada por três quedas d’água do riacho Uruçu-Mirim. É a cachoeira mais famosa da cidade. Ela fica no sítio Palmeiras, mais ou menos 20 km do centro da cidade. A queda d’água tem 23 metros de altura, e forma algumas piscinas naturais que são ótimas para o banho. O pessoal do sítio estruturou algumas bicas e banheiros.

Para encontrar a localização basta colocar o nome da cachoeira no Google Maps, que a localização está marcada direitinho. Vale avisar que parte da estrada é de terra e tem algumas subidas. A cachoeiras fica em sítio privado, e para ter acesso, é preciso pagar uma taxa de preservação.

6. Parque de Aventura Karawa tã

Parque de Aventura Karawa tã para diversão com as crianças
@karawataparque

O Parque Karawa tã é mais uma opção de turismo de aventura na região. O nome vem do tupi-guarani, significa planta que fura, um tipo de cacto muito abundante na região e que deu nome a cidade – Gravatá vem de Karawa tã.

O parque fica dentro de uma Reserva particular do Patrimônio Natural do agreste, sendo o maior parque de turismo de aventura e ecoturismo do norte e nordeste brasileiro, com uma área de 1.600.000m² dentro do bioma da caatinga.
O espaço oferece atividades de lazer e entretenimento ao ar livre, bem como atividades de educação ambiental. Entre as atividades, se destacam duas tirolesas para adultos, uma de 950m e outra de 300m, além de uma tirolesa kids, com 90m, além de arvorismo, arco e flecha, parede de escalada, pista de bike, trilhas e muitas outras.
Então, a estrutura é completa, com restaurante, lanchonetes, ambulatório, banheiros, guarda-volumes, estacionamento e muito mais.


Atendimento Online Recife Passeios



Reservas ecológicas

A cidade de Gravatá possui 4 regiões classificadas como RPPN (Reserva Privada de Patrimônio Natural). Portanto duas ficam na região do agreste da cidade, com clima semi-árido predominante (Parque Ecológico Karawa tã e Reserva de Santo Antônio), e duas na região de brejo de altitude, onde encontramos vestígios de Mata Atlântica (Serra do Contente e São Benedito).

Afinal onde ficar em Gravatá

Onde ficar hospedado em Gravatá durante o final de semana e feriados
@portaldegravata

As principais hospedagem em Gravatá serão sempre os hotéis fazenda, onde você pode combinar comodidade e infraestrutura com atividades de natureza. Enfim, há muitas opções de hotéis fazenda em Gravatá, veja alguns abaixo:

1. Hotel Fazenda Portal de Gravatá;

2. Hotel Fazenda Villa Hípica Resort;

3. Hotel Canarius;

4. Hotel Fazenda Casa Grande

5. Monte Castelo.


Entretanto além dos hotéis fazenda, também tem ótimas opções de pousadas, tanto no centro da cidade quanto na zona rural. Na cidade, tem Casa Schneider, Hotel Três Palmeiras, Pousada Vale do Gravatá e Pousada Vida Viva. Mais afastados do centro, temos Hotel Porto da Serra e o maravilhoso Oasis Boutique hotel spa.
É provável que se tenha outras opções interessantes, especialmente para quem viaja em família, é procurar as casas de temporadas. Proprietários de flats em hotéis-fazenda ou casas nos privês alugam suas propriedades para os turistas.

Onde comer em Gravatá

Onde comer em Gravatá, principais restaurantes da cidade
@lafondueunique

Para quem visita Gravatá nos meses mais frios, você precisa conhecer os restaurantes de fondue e massas da cidade. Há várias opções, o La Fondue Unique, o Ristorante Antonieta e o Taverna Suíça estão entre os mais famosos, por isso tome nota para uma posterior consulta.

Gravatá também tem tradição nos pratos regionais, especialmente a buchada de bode, a galinha de cabidela e a carne de charque. Portanto são bem procurados a Charque da Dona Neuza, Mania Caseira, o Bar do Japonês e a Buchadinha do Gordo. Para os dias frios, com o propósito de esquentar, tomar um café ou chocolate quente também caem muito bem. A Cafeteria Gravatá e a Doce Brownie, no centro, e o Café João e Maria, no Pólo Moveleiro, são ótimas opções.

Para quem procura bares para o que fazer em Gravatá à noite, no centro tem o Pirata Bar, e no Pólo Moveleiro temos a Cabana Petiscaria, o Seu Porquin, o Boulevard 232 e o Espetinho do Mozinho.

Com o intuito de ajudar os adeptos de uma refeição rápida temos duas indicações de lanche bem locais e que vale a pena demais: a primeira é o famoso Rei das Coxinhas, com uma unidade na cidade e duas na Serra das Russas (uma sentido Recife e outra sentido Gravatá). O Rei das Coxinhas ficou muito tradicional na cidade, e como restaurante de apoio na estrada, atendendo quem viaja pela BR 232. Há diversos sabores de coxinhas, como charque, camarão, bacalhau.
Outra proposta, bem informal, mas que bomba entre os locais, são as barracas de lanche na Avenida Joaquim Didier, ao lado do pontilhão.


Força e eletricidade em Gravatá

Em Gravatá a voltagem padrão é 220V, porém, algumas pousadas oferecem tomadas nas duas voltagens. Além disso, você também encontra facilmente em lojas de material elétrico transformadores de voltagem portáteis caso queira comprar.


Mapa com a rota de Recife até Gravatá



Dicas de Pernambuco



Deixe um comentário